O meu Plano de Investimento

em

Como parte do meu plano de poupar dinheiro de forma consistente tenho que ter uma estratégia para esse dinheiro, por isso estabeleci um plano de investimento.

Até agora, além do dinheiro que tenho em certificados de poupança e que, por ser um investimento seguro, considero o meu fundo de emergência, também tinha dinheiro investido em fundos de investimento, que comprei sem nenhum plano ou critério predefinido.

Ultimamente, tenho lido muito sobre estratégias de investimento, tentando descobrir as vantagens e desvantagens de cada uma e qual pode ser a melhor para mim. O meu objetivo já está definido. Quero criar uma ou mais fontes de rendimento passivo, que trabalhem para mim quando eu já não puder trabalhar e dar um complemento mensal à minha reforma.

Existem muitas fontes de rendimento passivo, das quais as mais comuns são os investimentos imobiliários para arrendamento e participações em empresas que distribuem dividendos.

Neste momento não tenho capacidade para investir em imóveis para alugar, por isso, adoptei uma estratégia de investimento orientada ao crescimento de dividendos.

O que são Dividendos?

Dividendos são pagamentos feitos por uma empresa acionistas da empresa. Eles são uma forma das empresas distribuírem os rendimentos de volta aos investidores e uma das maneiras pelas quais os investidores obtêm um retorno ao investir em ações.

Os dividendos são atraentes porque são rendimentos passivos. Depois de investir em algumas ações que distribuem dividendos, já não precisamos fazer mais nada para ganhar dividendos, é simplesmente o resultado dos investimentos.

O investimento em dividendos pode ser uma excelente maneira de gerar rendimentos e aumentar o nosso portfolio de investimentos por longos períodos de tempo. Ao apostarmos em empresas sólidas que aumentam os seus dividendos regularmente, uma pequena quantia de dinheiro pode-se transformar num bolo enorme, graças ao poder dos juros compostos.

Nos Estados Unidos, as empresas geralmente pagam dividendos trimestralmente, embora algumas paguem mensalmente ou semestralmente. Na Europa, muitas empresas pagam dividendos apenas uma vez por ano.

Um dividendo é pago por ação. Se eu possuo 10 ações de uma empresa e essa empresa paga $1 em dividendos anuais, eu receberei $10 por ano dessa empresa.

Mas nem todas as ações pagam dividendos, portanto, é necessário escolher especificamente ações de empresas que distribuem dividendos. Além disso, algumas empresas podem estar a pagar dividendos hoje, mas podem parar de pagar no futuro se a sua situação financeira se deteriorar. Portanto, é muito importante escolher cuidadosamente as empresas onde investir.

As boas empresas tendem a aumentar os seus lucros e têm potencial para aumentar o valor dos seus dividendos. Estas são as ““Dividend Growth stocks”, ou empresas de crescimento de dividendos numa tradução literal. Estas são as empresas nas quais eu quero investir.

Será esta a Melhor Estratégia?

Como em qualquer outra estratégia de investimento, a estratégia de investimento em crescimento de dividendos também possui prós e contras. Para mim, eles são:

PRÓS

  • Não é necessária manutenção. Basta escolher as ações e deixá-las trabalhar;
  • Os juros compostos são mais visíveis ação quando usamos os ganhos em dividendos para comprar ações adicionais;
  • À prova de inflação. As empresas ajustarão os seus dividendos à inflação;
  • Temos um rendimento estável sem retirar dinheiro aos investimentos e perder valor ao longo do tempo.

CONTRAS

  • Tributação. Os impostos são pagos sempre que recebemos um dividendo;
  • As empresas que pagam dividendos crescentes são empresas chatas e bem estabelecidas
  • Não é fácil encontrar boas ações a bons preços. As ações com altos dividendos são acompanhadas de perto, pois todos gostam;
  • Não há nenhuma garantia que a empresa pague dividendos no futuro. Os dividendos são emitidos de acordo com o critério do conselho de administração da empresa.

Por que eu acho que essa é a melhor estratégia para mim?

Para começar as ações que pagam bons dividendos são geralmente considerados investimentos mais seguros quando comparados ao investimento no mercado acionista como um todo. Essas empresas tendem a ter histórias longas e estão muito bem estabelecidas, tornando-as mais conservadoras. Elas podem crescer mais lentamente do que algumas empresas menores, mas provavelmente também fornecerão mais proteção durante uma crise. As ações de dividendos tendem a cair menos durante quedas de mercado.

Como só tenho mais 20 anos antes da reforma, tenho que gerir os riscos de perto. Investimentos mais seguros, mas com algum potencial de crescimento é o que me interessa.

Além disso, ao apostar numa estratégia baseada em dividendos, não ficamos tão dependentes da valorização das ações para ganhar dinheiro, porque estamos continuamente a receber dividendos de boas empresas, independentemente das suas ações estarem a subir ou a descer.

Obter um complemento mensal em dividendos é uma alternativa para retirar valor dos meus investimentos, e financiar algum do custo de vida na reforma. Dessa forma, o valor dos meus investimentos nunca diminui e poderei contar com esses dividendos indefinidamente. É uma fonte confiável de receita para mim agora e um investimento que irei deixar para os meus filhos e netos.

Como Investir em Dividendos?

É possível investir em ações de dividendos através de fundos negociados em bolsa que apostam nessas ações ou comprando ações de dividendos individuais.

ETF’s

Os ETFs são provavelmente a forma mais fácil de iniciar. Os ETFs de dividendos oferecem uma maneira simples e direta de obter exposição a ações que pagam dividendos regulares e normalmente incluem dezenas ou centenas de empresas diferentes.

Eles fornecem diversificação, o que significa maior segurança das ações que cortam o pagamento de dividendos, pois o efeito será diluído no dividendo geral do fundo.

Ao escolher uma ETF, é importante considerar:

  • O dividend yield. É o quanto o produto paga em dividendos em cada ano em relação ao preço das suas ações e, geralmente, é expresso como uma percentagem. Quanto maior este valor, melhor.
  • Taxa de despesas. Esta é a taxa anual da ETF, portanto, quanto menor, melhor.
  • Capitalização. Os ETFs podem investir em empresas com capitalização grande, média ou pequena (large caps, mid-caps, and small caps). As large caps são geralmente as mais seguras, enquanto as small caps são as mais arriscadas.
  • Depois de escolher um ou mais ETFs onde investir, o trabalho está concluído. Definimos uma rotina de investimentos e nunca mais se pensa nela (pelo menos não se pensa nisso tão cedo).

Investir através de ETF é o caminho a seguir para quem não quer muito trabalho e não se quer envolver na escolha das empresas nas quais investir.

Seleção Individual de Ações

Construir um portfólio de ações individuais de dividendos exige tempo e esforço, tornando-se muito mais complexo do que investir através de um ETF. Mas, ao escolhermos as nossas ações de dividendos, temos o potencial de personalizar o nosso portfólio e obter dividendos mais altos do que num ETF.

Antes de comprar uma ação é necessário analisar a empresa e o setor, avaliar a segurança do dividendo e determinar quanto comprar.

Ao escolher uma ação, é importante considerar:

  • Lucros consistentes. Considerar apenas empresas que apresentam crescimento dos lucros;
  • Dívida excessiva. Evitar empresas com dívidas excessivas;
  • Forte cash flow
  • Se estivermos familiarizados com as demonstrações contabilísticas, deveremos examinar todas as ferramentas tradicionais de avaliação, incluindo a relação P / L, relação preço / vendas, Valor da empresa / EBITDA e valor contabilístico.

O investimento em ETF nesta fase seria mais apropriado para mim. Como tenho pouco dinheiro investido, o ETF traria a diversificação que ainda não posso ter com ações de poucas empresas. Além disso, a compra de ETFs seria mais eficiente em termos fiscais e teria um risco menor de fazer um mau investimento.

No entanto, confesso que gosto do desafio de procurar ações atraentes e não me importo – até aprecio – de gastar tempo a fazê-lo. Também gosto de ver os dividendos a serem depositados na minha conta, por menor que seja o valor. É muito motivador saber que esse valor pode ser maior se eu investir mais.

É por isso que estou a começar a montar o meu próprio portfólio de ações de dividendos individuais e a vender os ETFs que ainda tenho assim que encontrar uma nova ação que goste e que decida comprar.

Este é o momento perfeito para experimentar e aprender, pois ainda estou a investir pouco dinheiro. Se fosse muito dinheiro, eu não ficaria tão confortável a fazer esses investimentos. No entanto, tento abstrair-me do valor do investimento e faço tudo como se fosse muito dinheiro.

O meu Portfolio

Neste momento, o meu portfolio é o seguinte:

Vendi todas as minhas ações do ETF Vanguard S&P 500, pois pensei que não era o ETF ideal para a estratégia que estou a montar. Usei esse dinheiro para comprar mais ações de algumas das empresas que já tinha. Também adicionei a Philip Morris International INC. (PM) ao meu portfólio. É uma empresa com um registro de pagamento de dividendos muito altos e achei que o preço da ação era bom.

Comprei 4 ações a $80,14 e isso representa um aumento de $18,72 nos meus dividendos anuais futuros.

Estou a planear adicionar uma nova empresa ao meu portfólio todos os meses até ter pelo menos 15 a 20 empresas em diferentes setores. Serão pequenas posições, de acordo com o forem as minhas economias mensais. A prioridade para mim agora é diversificar muito para reduzir o risco. Depois irei pensar em aumentar as posições nas empresas que já tenho no meu portfólio.

O que acham da minha estratégia?

RBhttps://www.casacomtodos.com
Informático, de profissão e vocação, adora fazer caminhadas, correr, ver séries e ler livros de finanças pessoais. Destas, apenas 2 são mesmo verdade.

3 COMENTÁRIOS

  1. Vários comentários:
    – Uma política de dividendos para um residente em Portugal é bastante ineficiente devido à questão fiscal, uma vez que são tributados em 28%. Essa “perda”, capitalizada, ao fim de 30 anos tem um efeito significativo.
    Embora seja verdade o que refere nos pros quando diz “Os juros compostos são mais visíveis ação quando usamos os ganhos em dividendos para comprar ações adicionais”, são realmente visíveis, mas extremamente ineficiente do ponto de vista fiscal, portanto, para crescimento do capital.

    – O portfolio está concentrado em pouquíssimas empresas. Não chega para ter uma diversificação eficaz e fica bastante exposto a más escolhas. Isso pode ser mau, uma vez que diz que está a 20 anos da reforma.
    Claro que o inverso também é verdade: fica exposto a excelentes escolhas, se tiver essa capacidade.

    Para obviar a estas questões a solução seria optar por um ETF de empresas (há inúmeros – baseados em growth, dividend, startups, small, medium ou big caps, etc.) mas um ETF que seja de capitalização. Ou seja, que acumule os dividendos, evitando que estes sejam tributados de forma tão forte como são a um particular.

    Já agora, dependendo da corretora que use, convém certificar-se que tem o W-8BEN preenchido para evitar dupla tributação de dividendos.

    Boa sorte e parabéns pelo blog.

    • Olá Ricardo,
      Muito obrigado, em primeiro lugar por ter passado por aqui e também por me deixar os seus comentários, com os quais eu concordo totalmente.

      Como explico noutro artigo, eu tinha dinheiro investido em ETFs de capitalização que vendi para comprar as ações individuais e construir o meu próprio portfólio. Não tenho qualquer outra justificação para além de que os ETFs são “aborrecidos” e, por uma questão de defeito de personalidade, eu motivo-me muito mais facilmente para o outro objetivo, que é poupar o máximo possível para investir o máximo possivel, se tiver uma participação mais ativa no processo de investimento. Eu gosto de analisar as empresas e escolhê-las individualmente. Gosto de ver o dividendo a cair todos os meses apesar de serem para já montantes ridículos. Sei que perco dinheiro por causa da fiscalidade mas estou convencido que vou compensar essa perda com o acréscimo de poupança que vou fazer simplesmente por estar mais motivado para isso.

      Também estou convencido que este foco nos dividendos também me vai proteger de tomar más decisões quando o mercado inverter.

      Não sei se me faço entender…

      E sim, o meu portfólio está ainda muito pequeno, tanto em valor como em número, mas não está fechado. O objetivo é investir numa nova empresa todos os meses até ter entre 20 a 30 empresas diferentes. Depois aumentar gradualmente o valor em cada uma delas de acordo com o mercado indicar nessa altura.

      O meu portfolio está na Degiro e preenchi o w-8ben logo que abri a conta.

      Mais uma vez obrigado pelos seus comentários.

      • Ah, OK, só descobri o blog hoje por via do comentário que deixou no blog da Cristina e ainda não li tudo.
        Não me apercebi, por isso, dessa questão dos dividendos frequentes terem um papel importante na motivação para poupar e também na questão de achar os ETFs serem aborrecidos (costuma-se dizer que o investimento passivo com ETFs é tão excitante como ir para o jardim ver crescer a relva).
        Nesse caso fará sentido, do ponto de vista pessoal, fazer o que faz (com a ressalva que já referiu de ser indispensável aumentar o número de papéis no portfólio para obter a melhor diversificação que for possível).
        Uma coisa que poderá, eventualmente, considerar caso não suporte grandes perdas de capital é adicionar uma classe de activos diferente, como sejam as obrigações (aí, sim, faria todo o sentido ser um ETF/fundo e não obrigações avulso de empresas).
        Bom fim de semana e bons investimentos

Deixar um comentário

ATUALMENTE A LER

[td_block_16 sort=”popular” td_ajax_preloading=”preload” custom_title=”MAIS POPULARES”]

COMENTÁRIOS RECENTES