3 Ideias para Poupar Dinheiro

em

Quando temos um orçamento mensal definido, como eu fiz aqui, e registamos todas as nossas despesas, passamos a conhecer como estamos a gastar o dinheiro.

A maior parte das vezes são as despesas pequenas que mais nos surpreendem. Quando temos uma despesa grande, ela capta a nossa atenção e é valorizada. Não nos esquecemos facilmente das despesas maiores.

No entanto, as despesas mais pequenas são desvalorizadas e esquecidas. E, muitas vezes, a soma destas despesas pequenas fazem uma despesa grande.

Assim, estou a percorrer todas as categorias do meu orçamento para tentar perceber onde posso optimizar as minhas despesas. Algumas das sugestões que proponho já foram implementadas no passado. Outras irei começar agora.

Vou descrevê-las sem nenhuma ordem em especial.

Café

Adoro café. Sou viciado. O meu dia de trabalho não pode começar antes de tomar um café, mas não gosto de qualquer um.

Todas as empresas por onde passei oferecem café aos empregados. Sem qualquer custo, posso tomar os cafés que me apetecer enquanto estiver no emprego. No entanto, o café oferecido não é…, como hei-de dizer isto educadamente…, bom! Não á nada bom. É mesmo muito mau até.

É, por isso, normal que tome um café no café. Às vezes, para acompanhar o café, como uma nata. Às vezes não como nada mas tomo dois cafés. Ao fim de semana, se sair, posso também tomar mais do que um café na rua.

Se fizer a média a 1,50€ por dia em despesas de café (mas acho que estou a fazer por baixo porque na realidade gasto mais do que isso), então posso concluir que gasto, só eu, 547,50€ em café por ano.

Não pretendo ser daquelas pessoas que passa sacrifícios para poupar dinheiro, por isso, não quero deixar de tomar café. Mas posso bem tomar o café na empresa que é oferecido. Desta forma, se considerar que não vou gastar 1,5€ por dia, aos dias úteis em que posso tomar café na empresa, então vou poupar 7,5€ por semana, 30€ por mês, 360€ por ano, sem deixar de fazer alguma coisa que gosto.

A única coisa que faço é trocar o café do café pelo café oferecido do emprego.

Almoço no Trabalho

Já há algum tempo que levo marmita para o trabalho, no entanto resolvi fazer na mesma este exercício para mostrar as conclusões que retirei desta alteração.

O meu trabalho fica numa zona central de uma cidade grande, onde existem várias opções para almoçar a diferentes preços. Tanto consigo almoçar por 5€ como por 15€, sem considerar os restaurantes mais caros do que isso, que também os há.

Quando almoça em restaurantes diariamente gastava, em média, 200€ por mês.

Como a minha empresa oferece condições para, quem levar marmita de casa, poder almoçar numa copa que dispõe de vários frigoríficos, micro-ondas, bancadas com lava-loiças, etc, há cerca de um ano atrás passei a levar marmita para o emprego.

Tenho algumas regras acerca da marmita, no entanto. O objetivo da marmita é, para mim, poder aproveitar a comida que sobra do jantar. Quando o jantar é uma receita que fica bem aquecida no micro-ondas no dia seguinte, também aceito fazer uma quantidade maior ao jantar para sobrar e levar no dia seguinte. Mas sou contra cozinhar de propósito para a marmita.

Assim, não levo marmita todos os dias para o emprego, mas a minha média de gastos com os almoços em dias de trabalho desceu de 200€ para cerca de 60€.

Eu sei que não devo dizer que estou a poupar 140€ por mês pois também gasto mais em compras dos ingredientes para os jantares, mas o desperdício de comida é muito menor. Assim, vou considerar que poupo 100€ por mês, ou 1.200,00€ por ano, por levar marmita em vez de almoçar fora todos os dias.

Portágens

O dinheiro que gasto mensalmente em portágens também pode ser reduzido.

Eu faço várias viagens por semana entre a localidade onde resido e a cidade mais próxima, para ir buscar e levar os meus filhos aos fins de semana, visitar os meus pais, ir às compras, etc. Em média são 3 viagens por semana. Estas viagens podem ser feitas por autoestrada ou por uma estrada nacional.

Por uma questão de comodidade, já que é um trajeto cerca de 10 minutos mais rápido e menos perigoso (na estrada nacional há sempre pessoas a atravessar a estrada, carros a fazerem manobras perigosas, semáforos, etc), tenho-o feito pela autoestrada. Esta viagem custa, em portágens, 1,15€ em cada sentido. Ou seja, 2,30€ por viagem.

Pela estrada nacional o trajeto é mais demorado e, pelos testes que fiz, o consumo de combustível é aproximadamente o mesmo. Assim, já comecei este mês a utilizar o trajeto mais lento mas mais barato.

Só tenho que me lembrar que tenho que sair 10 minutos mais cedo mas poupo, em média, 6,90€ por semana, 27,60€ por mês, 331,20€ por ano.

Investir as poupanças

Os números apresentados nestes 3 exercícios não são rigorosos, são aproximados, mas permitem tirar conclusões do que estamos a fazer mal nas nossas finanças.

Sem deixar de fazer nada e sem perder qualidade de vida, nestas 3 pequenas ideias já se podem obter as seguintes poupanças mensais:

  • 30€ em café
  • 100€ em almoços
  • 27,60€ em portágens

A soma destas poupanças é de 157,60€ por mês.

Se guardarmos este dinheiro debaixo do colchão, ao fim de 10 anos teremos 18.912,00€.

Mas se invés do colchão, investirmos este valor todos os meses em ações de dividendos, considerando uma taxa anual de 4% que é a normalmente utilizada nestes exercícios, ao fim de 10 anos teremos 23,283.92€.

Sim, é mesmo verdade. Basta utilizarem uma calculadora de juros compostos para comprovarem que, sem qualquer tipo de esforço ou privação, se utilizarmos melhor o nosso dinheiro, podemos obter resultados que nunca nos passaram pela cabeça.

Mas o efeito dos juros compostos é exponencialmente maior quanto maior for o tempo decorrido. Por exemplo, este mesmo valor ao fim de 30 anos irá resultar em 109,746.79€.

3 ideas para poupar -juros compostos

Como se pode ver no gráfico anterior, o efeito dos juros é mais pronunciado quanto mais tempo for decorrido e, ao fim de 30 anos, já temos quase tanto de juros como o valor que investimos.

Se eu soubesse disto há uns anos atrás, posso dizer-vos que tinha feito muitas coisas de forma diferente.

E vocês têm alguma dica de poupança do dia a dia que queiram partilhar?

Até já

RBhttps://www.casacomtodos.com
Informático, de profissão e vocação, adora fazer caminhadas, correr, ver séries e ler livros de finanças pessoais. Destas, apenas 2 são mesmo verdade.

4 COMENTÁRIOS

  1. A minha grande poupança no dia-a-dia também é a marmita. Realmente sinto que isso foi uma forma de rapidamente poupar bastante dinheiro.

    Mais, passei a comer melhor e isso teve um resultado imediato na minha saúde. É que a comer nos restaurantes à volta do trabalho, engordei 10 kg + constantes problemas de estômago. Mal passei para as marmitas, ambos desapareceram.

  2. A fazer refeições/lanches fora gasta se imenso dinheiro sem que uma pessoa se aperceba. Além do almoço propriamente dito, também levo os lanches da manhã e da tarde + 1 termo de café instantâneo (tenho máquina de cápsulas no trabalho mas ao final do mês, com o todo o café que bebo, saía caro – agora bebo 1 café de manhã e tenho o termo para o resto do dia). Quando tenho de lanchar no café, é um ror de dinheiro que se vai!

Deixar um comentário

ATUALMENTE A LER

[td_block_16 sort=”popular” td_ajax_preloading=”preload” custom_title=”MAIS POPULARES”]

COMENTÁRIOS RECENTES